Comerciantes se antecipam e desmontam barracas na orla do Francês

Muitos comerciantes da orla do Francês decidiram desmontar suas barracas já nesta terça-feira (31), para evitar a demolição na manhã desta quarta (1º). Alguns estão revoltados com a informação dada pelo prefeito de Marechal Deodoro, Cláudio Filho Cacau, alegando que não têm outra fonte de renda.

Boa parte dos vendedores contratou serventes para desmontar a estrutura das barracas e “salvar o que era possível”. Os proprietários dos estabelecimentos, porém, não foram localizados.

“Minha mãe trabalhou mais de trinta anos nessa barraca. Eu passei um ano trabalhando. Hoje, estou ajudando a desmontar para reaproveitarmos o que for necessário e possível. É difícil, não é? Mas é uma decisão federal e temos que atender. Estamos tentando evitar prejuízos maiores, porque vão derrubar o que restou da estrutura amanhã”, disse o comerciante Anderson Santos.

Vários comerciantes estão revoltados porque passaram a vida trabalhando na Orla do Francês. Alguns já arrumaram emprego, enquanto outros não sabem o que vão fazer.

Os comerciantes que não têm outro emprego deverão seguir para o Centro do Francês, onde vão poder comercializar seus produtos.

Demolição

O prefeito de Marechal Deodoro, Cláudio Filho, afirmou nesta terça-feira (31) que o Município vai auxiliar os comerciantes que atuam na Praia do Francês para tentar minimizar os impactos da derrubada das barracas existentes no local. A previsão é que a demolição aconteça nesta quarta-feira (1) pela manhã.

De acordo com ele, as barracas geram cerca de 400 empregos diretos ou indiretos, beneficiando a comunidade local. A Prefeitura planeja reurbanizar o espaço, com a criação de espaços de convivência, quadras esportivas e playgrounds.

“Nossa preocupação é com o lado social, pelo grande número de pessoas que depende do turismo. As barracas são importante fonte de renda para a comunidade local. Nossa ideia é reurbanizar o espaço após o carnaval e atender aos moradores, comerciantes e turistas”, explicou Cláudio Filho.

O gestor explicou que a previsão inicial era que as barracas fossem demolidas no mês de março. No entanto, um acordo que contou com a colaboração da Prefeitura conseguiu adiar a derrubada para o mês de novembro. “Nós temos nos reunido com os barraqueiros e acreditamos que não haverá incidentes”, ressaltou.

Na oportunidade, Cláudio Filho pediu que moradores e turistas evitem a região nesta quarta-feira. “A derrubada vai acontecer da direita para a esquerda, como ficou definido em acordo. A solicitação de auxílio foi protocolada pelos próprios comerciantes na Prefeitura, para que a gente ajudasse na derrubada. Nós pedimos que moradores e turistas evitem a região, para que não haja nenhum acidente. A Prefeitura vai retirar entulhos e deixar a área limpa”, acrescentou o gestor.