Denúncias contra “Beto Xerife” vão parar no Ministério Público Federal

O prefeito de Santa Luzia do Norte, Edson Mateus (PRB), irá denunciar ao Ministério Público Federal (MPF) o presidente da Câmara de Vereadores, Beto Policial (PROS), por desvio de dinheiro dos cofres do Executivo.

Beto teve que assumir a prefeitura durante breve impasse de Edson Mateus e sua chapa com a Justiça Eleitoral. Após conseguir uma liminar do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Mateus voltou ao cargo no mês passado.

Para fundamentar a denúncia, o gestor separou documentos comprobatórios, como: extratos de bancários e comprovantes de transferências de valores.

De acordo com Mateus, Beto Policial teria “sumido” com cerca de R$ 50 mil em apenas um mês, período que esteve à frente do Executivo.

“São verbas federais usadas para pagar o funcionalismo da saúde, de pessoas que atendem à nossa população”, lamentou Edson Mateus.

O presidente da Câmara ainda teria desaparecido com documentos importantes da Prefeitura, como contratos licitatórios entre outros.

“Só vieram me entregar a papelada dias depois. Tirar documento público da prefeitura é crime. Fizemos um boletim de ocorrência para registrar o fato ao Tribunal de Contas”, disse.

Uma sessão da Câmara de Vereadores de Santa Luzia do Norte, em outubro, acabou em gritaria e confusão.

Um vídeo, que circulou pela internet, mostrou o presidente da Casa de Leis, Beto Policial, interrompendo o discurso de outros vereadores.

A razão seria porque os edis propuseram a formação de Comissão Especial de Inquérito (C.E.I) para que o presidente se afastasse para averiguar uma situação de improbidade.

Beto Policial, que ficou no lugar do prefeito Edson Mateus, teria desaparecido com documentos da Prefeitura.

Contrariado, Beto encerrou o expediente dizendo que “os vereadores não tinham força”.

A informação é que Beto Policial iria armado à Casa de Leis coagindo os demais. Tanto é que alguns o chamam de “Xerife”.

Em conversa com a imprensa nesta semana, o prefeito Edson Mateus destacou que sua eleição incomodou políticos de peso já que o eleitor resolveu eleger um “homem do povo, pobre e negro”.

Disse ainda Beto Xerife  não passa de traidor, já que o ajudou a chegar à presidência da Câmara.