Sargento Célio foi morto pela própria arma, revela investigação

A cúpula da Secretaria de Segurança Pública (SSP) apresentou, em coletiva de imprensa, na tarde desta quinta-feira (16), na sede da SSP, no centro de Maceió, o desfecho da morte do policial militar Célio Cícero Valdemar, 50, cujo corpo foi encontrado no último dia 24 de outubro. Os delegados Fábio Costa e Eduardo Mero participaram da coletiva.

Segundo informações repassadas pelos delegados, quatro homens abordaram e mataram o sargento, sendo eles: Edvaldo Amâncio da Silva, 38; Kleberson Silva de Souza (Binho), 22; Elissandro Rufino Medeiros, 18; Wellington José da Silva, 25, que morreu na troca de tiros. Todos foram presos na madrugada do dia 14, no município de Messias.

Os acusados foram presos por tráfico de drogas e pela execução do sargento, e não existe possibilidade de outras pessoas serem presas. Willamo Omena, juiz da comarca de São Luís do Quitunde, é o responsável por emitir os mandados de prisão.

De acordo com o delegado Fábio Costa, Célio Cícero foi morto por ser policial e o inquérito deverá ser concluído em uma semana. ‘’Garantimos que não há qualquer dúvida acerca da motivação do crime’’, completou.

O sargento foi encontrado com a cabeça desconfigurada em função das lesões e não pelo tempo. Além disso, as lesões foram feitas por faca e pela própria arma de Célio, que ainda não foi recuperada.