PMs são presos e transferidos após abordar Coronel da PM; Veja vídeo

Dois policiais militares, lotados no Batalhão de Policiamento Rodoviário (BPRv), foram presos por 62 horas e transferidos para os batalhões do sertão após uma abordagem policial ao Coronel Goulart.

O caso aconteceu na última quarta-feira, 22, na Barra de São Miguel, mas o caso só tomou notoriedade neste fim de semana após a divulgação de vídeos da ação policial.

De acordo com o presidente da Associação dos Cabos e Soldados (ACS), Cabo Welligton Silva, em entrevista a um site local disse. “O motorista negou a se identificar arrancando com o carro. Os policiais ficaram com a arma em punho e se aproximou mais na frente. Eles não reconheceram o coronel Goulart e o carro só é identificado nas laterais e atrás”, relatou o militar”.

A associação militar ingressou uma ação no Tribunal de Justiça com o objetivo de liberar os militares. Contudo, o processo ainda não foi julgado.

Os militares, estão recolhidos no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (CFAP), no bairro do Trapiche da Barra, devem ser liberados na segunda-feira, 27, pela manhã.

Também na segunda-feira, as associações militares, ACS e Assmal, irão ao Ministério Público e ao Conselho Estadual de Segurança Pública denunciar o caso.

A transferência dos militares para os 7º e 9º Batalhões de Polícia Militar, localizados em Santana do Ipanema e Delmiro Gouveia, foi publicada no Boletim Geral Ostensivo (BGO), na sexta-feira, 24.

A redação do A Notícia entrou em contato com a assessoria da Polícia Militar e foi orientada em enviar a solicitação de resposta sobre o caso por e-mail.

Em nota, a Ordem dos Policiais do Brasil, Associação dos Servidores da Polícia Civil do Estado de Alagoas,  Sinpofal Sindicato dos Policiais Federais do Estado de Alagoas e o  Sindicato dos Agentes Penitenciários do Estado de Alagoas, declararam repúdio a conduta adotada pelo Cel, Adroaldo Freitas Goulart.

Segundo as entidades, o veículo é destinado para uso exclusivo em serviço publico, e a atitude foi uma afronta a guarnição. Confira a nota e o vídeo logo abaixo:

 

A Ordem dos Policiais do Brasil, o Sindicato dos Policiais Federais de Alagoas, a Associação dos Servidores Policiais Civis de Alagoas e o Sindicato dos Agentes Penitenciários de Alagoas vêm, em solidariedade a Guarnição que se encontrava no exercício de suas funções legais, REPUDIAR a conduta adotada pelo CEL. Adroaldo Freitas GOULART Filho que utilizando de veículo destinado exclusivamente ao serviço público afrontou a Guarnição e se negou a obedecer os comandos legais dos policiais militares que se encontravam fazendo BLITZ na Rodovia XX.

O motivo da abordagem se deu, pois a Guarnição percebeu/visualizou que indivíduos (com vestimentas civis) estavam em um veículo oficial e de uso exclusivo da Polícia Militar. Ressalta-se que o sobredito veículo parou numa distância considerável tendo sido realizada a troca do condutor do veículo entre uma mulher e um passageiro/carona, tal comportamento despertou a desconfiança da guarnição que adotou postura de abordagem com emprego de arma de fogo e verbalização.

No momento da abordagem o condutor do veículo CEL. GOULART numa conduta intimidatória além da morosidade de sua identificação não obedeceu aos comandos legais dos militares de serviço causando um desconforto desnecessário.

Em razão dos fatos acima e que se apresentam em áudio e vídeo comprovam o ocorrido e o assédio moral sofrido pelos servidores.

O Tenente que era o oficial de operações foi transferido para o 10° BPM, além disso os 03 (três) militares do BPRV foram presos no CFAP por 72h por ordem do CEL. SARMENTO. Ademais, os militares envolvidos no episódio foram transferidos para Delmiro Gouveia e Santana do Ipanema.

Todos os princípios constitucionais foram afrontados em razão da transferência dos militares e da prisão, ouviram apenas a versão dada pelo Oficial que asseverou ter sido hostilizado e desrespeitado pela Guarnição, fato que restará provado ser mentira.

As entidades demonstram nesse momento UNIÃO e REPUDIA a perfídia e aleivosia praticada pelo Oficial que utilizando de sua patente busca penalizar arbitrariamente a Guarnição.

Será cobrado da Corregedoria e do Conselho Estadual de Segurança Pública o acompanhamento do procedimento instaurado no âmbito correcional da PM, bem como a instauração de procedimento adequado face os supostos crimes de peculato e, consequentemente, improbidade administrativa praticado pelo Oficial que se utilizou do veículo do Estado em benefício próprio e de terceiros.