Com crimes parecidos, ex-prefeitos tiveram prisão decretada

No mês de junho, o prefeito do município de Maribondo, Leopoldo César Amorim Pedrosa, teve a prisão preventiva mantida pelo desembargador João Luiz Azevedo Lessa, após ser acusado de agredir a esposa e a sogra. O Sistema de Automação da Justiça (SAJ) do segundo grau, também apontou que o acusado responde a outro processo, no qual é acusado de embriaguez ao volante e uso de documento falso.

O desembargador recusou o pedido de reconsideração da defesa e argumentou que era necessário assegurar a aplicação da lei penal e a proteção da integridade física das vítimas.

O Ministério Público Estadual ainda requereu a manutenção da prisão preventiva de Leopoldo Pedrosa, destacando a “iminente ameaça à vida e a integridade física das referidas vítimas, assim como a própria instrução penal”.

Outro exemplo de “azarado” foi o ex-prefeito de Canapi, Celso Luiz Tenório Brandão, que foi preso em Maceió deste ano por desvios de verbas públicas federais, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

No mês de Novembro a novela ganhou outro capítulo, quando o procurador da República Carlos Eduardo Raddatz pediu a condenação do ex-prefeito a pelo menos 45 anos de reclusão, no processo criminal decorrente da operação Triângulo das Bermudas.

Além da condenação do réu, o Ministério Público Federal pede o ressarcimento da sociedade pelos danos causados à coletividade na proporção dos valores desviados.