Fracasso tucano: Rui perde ação contra Renan, Cícero e servidora

Durante a campanha eleitoral de 2016, o advogado da coligação do prefeito Rui Palmeira, o atual secretário municipal Ricardo Wanderley convocou uma coletiva de imprensa e apresentou denúncias contra adversários.

Ali, foi mostrado, com direito a imagens no telão, acusações de irregularidades na campanha de Cícero Almeida. Entre elas, o uso de uma servidora do Governo do Estado na campanha, Janaína Henriques Braga, que à época foi acusada de estar em campanha no horário de expediente cedida pelo governador Renan Filho.

Mais de um ano depois, a ação foi julgada improcedente pela justiça eleitoral e publicada no Diário Eletrônico no último dia 19/12. Após decisão, Jana Braga que comentou o caso: “Creio que a ação se deu pela imaturidade do prefeito Rui Palmeira. Em todo tempo sabia que não tinha respaldo jurídico, pois conforme comprovei eu estava exonerada das minhas funções no Governo do Estado e o Diário Oficial é um documento público. Foi uma iniciativa ardilosa, mas que entendo como um incômodo natural de quem estava disposto a tudo para vencer a eleição. O dano que ele me causou foi apenas no sentido da exposição indevida do meu nome. Já que foi preparada até uma coletiva de imprensa com fotos minhas em um telão. Desnecessário, até pelo fato de que eu não configurava objeto direto da eleição”.

A sentença do processo 43-09.2016.6.02.0002 está disponível no sítio do TRE. Nela a juíza eleitoral da 2ª zona, Maria Verônica Correia de Carvalho Souza Araújo, afirmou não vislumbrar a prática, de qualquer dos investigados, de ilícito eleitoral. Foram alvos da ação de investigação também o governador Renan Filho, o deputado federal Cícero Almeida e o deputado estadual Galba Novaes, os dois últimos, candidatos a prefeito e vice na chapa adversário a Rui Palmeira.